sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Violência contra a mulher e doação de sangue, dois temas da maior relevância.


"Segundo dados das ocorrências policiais envolvendo a violência contra a mulher, reunidos pela Divisão de Estatística Criminal da Secretaria de Segurança Pública do RS, somente em 2010, Porto Alegre registrou o maior número de casos (52.227), seguida de Caxias do Sul (11.111), de Pelotas (8.815), de Santa Maria (8.002) e de Canoas (7.986). Dados denunciantes da persistente injustiça social que atinge o sexo feminino no Estado.
Reduzir a violência contra as mulheres e promover o desenvolvimento de um Estado de forma equânime é um desafio para todas e todos os gaúchos." (fonte: Secretaria de Proteção à Mulher)

Por outro lado:

"A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o percentual ideal de doadores para um país esteja entre 3,5% e 5% de sua população. No Brasil esse número é preocupante, pois não chega a 2%. Esta quantidade, ainda sofre uma queda alarmante durante o inverno e as férias, períodos em quem os hemocentros são praticamente obrigados a operar com menos que o mínimo necessário. Ainda, complementando alguns dados estatísticos, o Ministério da Saúde divulga que os homens são responsáveis por mais de 70% das doações no Brasil e os jovens de 18 a 29 anos, correspondem a 50% dos doadores."(fonte: Revista Vivasaúde)

Dois temas da maior importância e que têm suas campanhas, não por acaso, concomitantes. É dever de todo cidadão aderir a ambas, na primeira denunciando os agressores ou incentivando vítimas a fazê-lo. Na segunda, havendo condições físicas para doar sangue, fazê-lo por humanidade e, também porque, nunca se sabe o dia de amanhã, pode ser que um familiar nosso, ou mesmo nós, venhamos a precisar.

Um comentário:

  1. Concordo plenamente. Ambas a campanhas cuidam da preservação da vida, bem maior de todo o ser humano, que merece viver com dignidade e bem estar.

    ResponderExcluir

Gostou do que leu? Comente, seu comentário vai nos deixar muito felizes.