Pular para o conteúdo principal

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE

.

Queremos atingir a meta de  100% de vacinação na  Escola para Adultos. E quiçás  entre os blogueiros  que nos acompanham.
Saiba mais:

27/04/2016 16h44 - Atualizado em 27/04/2016 16h44

Saúde inicia sábado vacinação contra gripe; meta é imunizar 49,8 milhões

Campanha vai até o dia 20 de maio e não deve ser prorrogada, diz ministro.
Vacina trivalente protege contra H1N1, H3N2 e uma cepa da Influenza B.

Gabriel LuizDo G1 DF
O ministro Marcelo Castro e a atriz Arlete Salles em divulgação nesta quarta-feira (27), em Brasília, de campanha de vacinação contra gripe  (Foto: Gabriel Luiz/G1)O ministro Marcelo Castro e a atriz Arlete Salles em divulgação nesta quarta-feira (27), em Brasília, de campanha de vacinação contra gripe (Foto: Gabriel Luiz/G1)
A campanha nacional de vacinação contra influenza começa neste sábado (30), com objetivo de imunizar 49,8 milhões de pessoas até dia 20 de maio, informou o Ministério da Saúde nesta quarta-feira (24). A previsão é de que a campanha – que foi antecipada em alguns estados e no DF – não seja prorrogada.
A ação é destinada a alguns grupos prioritários: crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, mulheres que deram à luz há menos de 45 dias, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade. A vacina aplicada é a trivalente, que protege contra H1N1, H3N2 (ambos vírus da Influenza A) e uma cepa da Influenza B.
Em todo o país, serão 65 mil postos de vacinação.
Desde o início do ano, foram registrados 1.635 casos de influenza e 230 mortes por complicações causadas pela doença até 16 de abril. Do total de casos registrados, 83% (1.365) são pela influenza A.

A pediatra e infectologista Adriane Cruz, do Hospital Quinta D’Or, no Rio de Janeiro, esclarece esses mitos e verdades.
 1. Quem toma a vacina pode ficar gripado por causa disso?
Mito
. Trata-se de uma vacina inativada (morta), incapaz de gerar doença. O sintoma mais associado após a vacina é vermelhidão no local da aplicação e febre, que ocorrem de 6 a 24 horas depois.
 
2. Há substâncias cancerígenas nos componentes da vacina?
Mito
, totalmente infundado.

3. Há riscos para os bebês de grávidas que são vacinadas?
Mito
. Aliás, a gestação é um excelente momento para vacinar. O bebê ficará protegido por passagem de anticorpos via placenta até que possa receber a vacina. As grávidas têm maior risco de desenvolver formas graves de doença, com altas taxas de mortalidade.

4. Crianças muito pequenas não devem tomar a vacina por não terem formado o sistema imunológico?
Mito
. A vacinação básica deve ser iniciada logo ao nascimento com a BCG e a hepatite B. A vacina contra influenza está indicada para  os maiores de 6 meses.
 5. A vacina só deve ser tomada em risco de epidemia?
Não. 
Trata-se de uma doença viral, altamente contagiosa, afetando todas as idades com altas taxas de morbidade e mortalidade a cada ano. Apesar de ser auto-limitada na grande maioria das vezes, há possibilidade de complicações, independentemente de estarmos diante de epidemia. Considerar tal vacinação, sempre que houver possibilidade.

6. Muitas pessoas também não tomam a vacina porque pensam que podem estar servindo de cobaias. A vacina já foi testada há quanto tempo?
Mito.
 Vacinas contra influenza são utilizadas há décadas em vários países do mundo. No Brasil, o Ministério da Saúde vem realizando campanhas anuais contra influenza desde 1999 com redução significativa das taxas de mortalidade por influenza e complicações relacionadas.

Ainda segundo a Dra. Adriane Cruz, a influenza pode causar doenças graves em qualquer indivíduo, embora seja para complicações nos seguintes grupos de risco: crianças pequenas e idosos, pessoas portadoras de doenças crônicas (AIDS, diabetes, câncer, doenças crônicas do coração, dos pulmões e dos rins), imunodeprimidos, gestantes no 2° e 3° trimestres de gravidez e recém-nascidos.
Há contraindicações apenas para pessoas com história prévia de reação alérgica grave a ovo ou outros componentes da vacina.

Comentários

  1. Boa noite Lia.
    Vim lhe desejar um feliz més de novembro. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olha eu de volta rsrs, agora para lhe desejar um feliz Natal e Ano Novo. Forte abraço.

    ResponderExcluir

  3. Olá amiga, navegando nos blogs de amigas te encontrei e vim conhecer seu blog. Amei e estou seguindo. Convido você a conhecer os meus, se gostar seguir, será bem-vinda. Abraços, um domingo abençoado.
    Profª Lourdes Duarte
    Deixo os lingues dos meus blogs para quem desejar conhece-los e seguir. Ficarei grata!

    https://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do que leu? Comente, seu comentário vai nos deixar muito felizes.

Postagens mais visitadas deste blog

Comemorar ou celebrar?

Encontrei na agenda da FAMES 2007 um texto muito interessante de autoria de Floriano Serra (Consultor de RH especializado em comportamento humano) que diferencia COMEMORAÇÃO de CELEBRAÇÃO.Vou reproduzir alguns trechos do artigo para suscitar uma reflexão.
"Comemorar e celebrar são a mesma coisa?...
...Comemoração, por exemplo, é interpretada e realizada como festa. Comemoram-se aniversários de nascimento, de casamento, de fundação, prêmios obtidos e momentos especiais...
...Em princípio, a celebração teria mais ou menos o mesmo sentido da comemoração mas hoje, no jargão organizacional, celebrar passa a ter um significado mais profundo, mais interativo, menos "festeiro"...
...Celebrar é compartilhar alegrias e vitórias , sem bandas e fanfarras.Celebra-se de modo discreto,quase silencioso,mas nem por isso menos intenso e verdadeiro.Para serem celebradas não precisam ser grandes alegrias e vitórias - até porque estas não têm tamanho ,peso nem altura. Ou são ou não são. Se são,…

Proteja o seu balão.

Na última quinta feira, tivemos uma aula extra de Gestão das Relações Humanas. O Prof. João Carlos nos surpreendeu com uma dinâmica que nos levou a encher balões, segurar um palito, fazer um círculo e jogando os balões para cima, mantê - los no ar, protejendo - os dos demais colegas. Passados alguns minutos, o professor nos instigou a atacar os demais balões com o intuito de afastar o "perigo" que eles significavam para o nosso balão. A partir daí foi um ataque geral, partimos com nossa "arma" para cima dos balões alheios e, um após outro, foram todos estourados.Feito isto, sentamo - nos e fizemos uma análise do nosso comportamento. Chegamos à conclusão de que demoramos para "agredir nossos adversários" porque, na realidade, não há competição entre nós, não nos vemos como adversários e, sim, como amigos, colegas. Em turmas de alunos mais jovens, segundo o professor, a iniciativa de furar o balão alheio, com o intuito de proteger o seu, é quase imediata.
Po…